Pangar page header image

Pangar


Ele veio do Norte


Quando Kat chegou, o acampamento já estava completamente destruído. O grupo de patrulha de Ramsgate teve sorte por não estar nas mesmas condições. A sobrevivente, uma slayer proveniente do norte e há muito tempo aposentada, chamou o misterioso Behemoth de Pangar. Ela jurou que ele não deveria ter vagueado tão para sul. Kat tinha que concordar.

Um aprendiz poderia ter seguido o rastro. Uma trincheira larga e funda cortava a floresta da ilha, conduzindo além do arvoredo, e terminando em um campo aberto. Então ela o viu, brilhando como uma jóia no sol frio do meio-dia.

Pangar Release Environment Shot
Pangar Illustration

O Behemoth festeja


O Pangar tinha descoberto um aglomerado de archonite enterrado não muito abaixo da superfície e enterrou-se para um banquete de aether. No começo mal pareceu notar a aproximação de Kat, berrando o seu bizarro rugido oscilante para alarmar qualquer criatura tola o suficiente para interromper sua refeição. Kat sacou sua espada e rodeou uma encosta rochosa para flanquear o principal caminho de fuga da criatura.

Uma pisada de fazer tremer a terra sacudiu os ossos de Kat enquanto a cauda do Pangar chicoteava com uma velocidade furiosa. A placa da sua carapaça, afiada como uma navalha, errou sua face mas salpicou-a com gelo afiado. Era hora de lutar.

Combatendo gelo com fogo


Kat manteve-se, golpeando entre a couraça da besta quando podia. O Pangar era mais rápido do que aparentava, dançando com suas duas pesadas pernas, golpeando com suas garras e cauda mesmo que Kat acertasse golpe após golpe. Ela cortou um grande pedaço de sua cauda, resultando em um grito terrível de fúria e dor.

E estava tão frio....

Um golpe brutal na lateral de seu elmo empurrou-a para trás, porém sua armadura resistiu. Heigsketter tinha feito um bom trabalho.

O Pangar aproximou-se, olhos azuis brilhando prateado com uma fria energia aethérica enquanto olhava para a sua espada. Kat viu que ele estava enfurecido, liberando o aether de dentro seu corpo como vidro congelante. Mas estava cauteloso.

O Pangar fez algo que ela nunca tinha visto um Behemoth fazer. Ele aninhou sua boca dentada em seu peito e arremessou-se para a frente, rolando em um mergulho - e continuou a rolar em sua direção. Apenas seu treinamento e reflexos permitiram que Kat saísse do caminho a tempo.

"Bem", a slayer murmurou, "isso explica a trincheira". O Behemoth desapareceu floresta adentro, deixando um ar frio e amargo por onde passara.

A caçada continua


Esta caçada não tinha acabado, mas estava claro que ela precisava de aliados. E Kat conhecia os slayers perfeitos para este trabalho.