Shrike


Morte ao Amanhecer


O pequeno time de novatos caiu no chão coberto de musgo, Veran em posição avançada com base no último avistamento de sua presa. O Shrike era um espécime de bom tamanho, julgando pelos sinais de Behemoth que viu sobre os troncos das árvores e rochas ao redor de sua zona de queda. Um grito agudo surpreendentemente claro perfurou o amanhecer e silenciou o canto dos pássaros que há pouco enchiam o ar. A besta estava próxima.

Veran sorriu para si mesmo ao pensar em derrotá-lo sem a ajuda da capitã, que havia ficado a bordo do navio. Esta caçada era dos novatos apenas. O time avançou silenciosamente, mãos nos punhos das armas e sentidos alertas para problemas.


Nas Asas do Medo


Eles não tiveram que esperar muito para que problemas os encontrassem. Mas quando o Shrike surgiu das árvores para os prados verdejantes, o time confiante de recrutas treinados sabia exatamente o que fazer.

O Shrike tornou-se imediatamente ciente deles e levantou-se em suas asas poderosas, criando um súbito vórtex aethérico que rodopiou diretamente em direção ao centro do grupo. Então a diversão realmente começou.

Tylin acertou o primeiro golpe, um ataque do seu machado, impulsionado por uma carga inteira de aether. A explosão do martelo de Kiva lançou-a logo depois para a batalha, soltando uma chuva de golpes na cabeça do Shrike enquanto descia. Veran aproveitou a distração para atacar o Behemoth no seu ponto cego. Ele devia ter atingido a criatura uma dúzia de vezes antes que ela se virou para ele, mas ele desviou-se facilmente do revés brutal do Shrike. Quando Inez enganchou-se nele pelo outro lado com suas lâminas-corrente ardentes, ele já estava se movendo para fugir.

Veran permitiu-se uma risada. Se eles o perseguissem agora, esse grupo tinha uma chance real de bater um recorde ou dois.

Foi aí que o segundo Shrike surgiu do bosque arborizado e acertou-o nas costas com uma onda de choque sônica de poder aethérico.


Bico e Garra


"DOIS SHRIKES!" gritou Inez desnecessariamente. Isso permitiu que o novo desafiante atacasse a novata antes que ela pudesse usar suas lâminas-corrente. Veran piscou fora o sangue nos seus olhos e ficou aliviado ao ver Tylin e Kiva se moverem para ajudar Inez quando ela caiu no chão.

Caçar dois Behemoths de uma vez não era algo que um Slayer fazia todo dia. Eles, essencialmente, tinham uma escolha a fazer: focar em derrotar um Shrike de cada vez, esperando que eles pudessem evitar o outro por tempo suficiente para terminar o primeiro? Ou se separar e depender em suas habilidades como Slayers para desafiar os Behemoths simultaneamente?

A primeira opção era a mais segura, se é que alguma coisa podia ser descrita como segura nessa situação. Infelizmente, ela dependia neles serem capazes de isolar um dos Shrikes do outro, e esses Behemoths não estavam cooperando. A escolha de Veran não era escolha nenhuma.

"Ty! Kiva!" gritou o líder da caçada. "Levem o nosso velho amigo embora e não desistam. Inez, você vem comigo."


Veran se maravilhou com os movimentos precisamente cronometrados de Inez enquanto ela elogiava seu combate eficiente com a espada. E, apesar de só poder vê-los do canto de sua visão, Veran viu Tylin e Kiva desequilibrarem o primeiro Shrike com golpes brutais de martelo e ataques carregados de machado. E quando seus amigos finalmente derrotaram sua presa, ele soltou um grito de alegria.


Com a confiança renovada, o grupo reunido se aproximou da segunda presa do dia. Esse, ponderou Veran, era o dia em que eles deixavam de ser novatos. Hoje eles eram Slayers.